Mobilidade


mobilidade2Para falar de mobilidade e transporte público é necessário resgatarmos como São Luís se encontrava há três anos e meio. Eu assumi a prefeitura com o sistema de transporte público praticamente falido. Havia ônibus com mais de dez anos de uso. Recebi uma cidade com um sistema viário altamente comprometido, com um crescimento urbano que impôs penalidades à ausência de ações de médio e longo prazos para a melhoria do trânsito. Também herdei um rombo de 5 milhões de reais, dívidas relativas apenas ao transporte.

Imediatamente determinei à minha equipe que reavaliasse todo o sistema de transporte para aumentar a eficiência e melhorar a qualidade. Praticamente metade da população ludovicense utiliza o transporte público diariamente.

Ao longo de minha gestão consegui baixar a média de idade dos ônibus para algo em torno de cinco anos e meio. Renovamos quase 40% da frota. Ou seja, foram inseridos 371 novos ônibus no sistema antes mesmo da licitação. Atualmente, a tarifa média em São Luís é de R$ 2,80, uma das mais baratas entre as capitais do Nordeste, que possuem uma média de preço de R$ 3,02.

Para melhorar o transporte público eu tive que combater até fraude no uso dos cartões. Nós realizamos atualização no software dos validadores e implantamos a Biometria Facial. Conseguimos com isso combater as fraudes que correspondiam a 35% da arrecadação mensal do sistema.

Implantamos também a Carga Embarcada para acabar com as filas para recarga dos cartões de transporte, comuns e estudantis. Agora, o usuário compra seu crédito na internet e recarrega automaticamente ao passar o seu cartão no primeiro validador embarcado.

mobilidade1O Bilhete Único  foi um compromisso assumido por mim e honrado à medida que requalificamos todo o sistema de transporte para que este fosse capaz de operar com este tipo de tecnologia. Hoje, o Bilhete Único é uma das marcas da minha gestão, amplamente aprovado pela população que está economizando tempo com este serviço.

Considero como uma de minhas ações mais importantes ter enfrentado o monopólio do transporte público. Tivemos a coragem de fazer a licitação do sistema de transporte, já homologada. Foi uma concorrência limpa, aberta e altamente fiscalizada pelos órgãos de controle. A licitação foi planejada, seguindo todas as etapas previstas em lei.

Como sempre digo, a licitação é a melhor maneira de melhorar o transporte público de São Luís, e com ela, a população só tem a ganhar. Por exemplo, com a licitação saberemos exatamente o horário que o ônibus saiu da garagem para atender a população, o que ajuda a controlar e fiscalizar a pontualidade do sistema. Lembro muito bem que quando recebi o sistema de transporte, não havia nem mesmo os mecanismos suficientes para que houvesse uma cobrança efetiva das empresas concessionárias do serviço.

Não há como voltar atrás no assunto transporte. Nos meses seguintes ao início do funcionamento do sistema sob o contrato licitado, teremos nas ruas 200 ônibus novos e com ar-condicionado, 20 ônibus articulados e uma meta de renovação anual passará a ser cumprida pelas empresas contratadas. A partir desta licitação, não entrará nenhum novo ônibus no sistema de transporte que não tenha ar-condicionado.

Entretanto, não adianta colocarmos ônibus novos para circular se eles ficarem parados em congestionamentos. Temos em São Luís um número que ajuda a explicar o que aconteceu em nossa cidade: em 2003, a frota de veículos era de cerca de 110 mil carros. Agora são mais de 330 mil, circulando pelas mesmas ruas e avenidas na cidade.

Por isso, fizemos 15 importantes intervenções no trânsito, que diminuíram os acidentes e praticamente reduziram os congestionamentos em seus entornos. Algumas intervenções foram mais simples, outras bastante complexas, mas todas resolveram problemas crônicos do trânsito e eram demandas históricas da população.

Posso destacar as intervenções no Anel Viário (Barragem do Bacanga/Itaqui-Bacanga) e na Avenida Carlos Cunha/Jaracaty, no cruzamento das avenidas dos Franceses e Africanos, Ponta do Farol, na curva do 90/Vinhais e na entrada da cidade.

mobilidade3Em todos estes casos, realizamos obras pautadas em intervenção inteligente para dar mais dinâmica e segurança ao trânsito. Conseguimos resultados animadores, como o fim do caos que se instaurava – todos os dias, no começo e no final do dia – na região da Barragem do Bacanga. Reduzimos drasticamente o número de acidentes de trânsito, chegando até a zerar os casos de vítimas fatais na Ponta do Farol (acesso à Litorânea) e na Avenida Carlos Cunha (Jaracaty), locais conhecidos pelos episódios recorrentes de tragédias.

Atualmente, estamos trabalhando em duas intervenções. Uma no Viaduto do Café (Outeiro da Cruz), e outra na Forquilha, em parceria com o governo do Estado.

Na oferta de serviços, estamos pondo à disposição dos usuários o aplicativo que permite o acompanhamento da rota dos ônibus em tempo real. Ele poderá em algumas semanas acessar o aplicativo através de dispositivos móveis ou em monitores nos terminais de integração. Também estamos implantando o Cartão Criança, que garante mais segurança e dignidade a nossas crianças que usam o transporte público, pois com este cartão elas não precisarão mais passar embaixo ou por cima da catraca.

A nossa marca na mobilidade precisou de planejamento e muito trabalho para que os primeiros resultados começassem a ser sentidos, isto por que durante muito tempo a mobilidade deixou de receber a atenção que deveria, então havia muito o que ser feito. Agora que estamos construindo o caminho da forma correta, vamos avançar ainda mais para oferecer conforto, segurança e economia de tempo a todos os ludovicenses.